domingo, 7 de novembro de 2010

Só 58 ministérios acomodariam todos os aliados de Dilma Rousseff

Se Dilma Rousseff decidisse contemplar todos os pedidos dos 12 partidos de sua base, teria de ampliar o tamanho da Esplanada de 37 para no mínimo 58 ministérios.
Sua maior dor de cabeça será a indicação de nomes para os disputadíssimos ministérios dos Transportes, das Cidades e da Integração Nacional, cobiçados por PMDB, PT, PSB, PP e PSC.
O poder de investimento dessas pastas explica a atração que exercem: são R$ 31,9 bilhões livres para obras neste ano (46% do total de toda a Esplanada) e uma previsão generosa para o próximo.
O Ministério das Cidades, com orçamento de investimentos de R$ 8,2 bilhões, está hoje nas mãos do PP. E é o campeão em número de postulantes no governo Dilma. Quatro legendas (PMDB, PT, PSB e PP) competem entre si.
Já Transportes, controlado atualmente pelo PR, é disputado por PMDB e PT. A pasta tem o maior orçamento para obras: R$ 16,4 bilhões.
Cidades e Transportes ganharão mais vulto com a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016. Praticamente toda a receita desses ministérios vem do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).
Dilma planejava colocar nessas áreas titulares de sua extrema confiança e profissionalizar mais os ministérios. Mas terá que superar a ansiedade de seus aliados.
A petista fez sua campanha presidencial ao lado do mais robusto arco de alianças. Venceu a eleição com a promessa de acomodar dez partidos. Além deles, PP (oficialmente neutro) e PTB (que apoiou José Serra) também querem espaço no governo.
Embora a partilha de cargos atenda a certas peculiaridades, há uma tradição em Brasília de levar em conta o desempenho nas urnas. O PSB conquistou seis governadores. Como possui hoje dois ministérios de pouco peso (Ciência e Tecnologia e Portos), deve ganhar ao menos mais um. O objetivo principal é reaver Integração Nacional, perdido para o PMDB.
Há 20 ministérios em disputa, mas o foco da cobiça parece recair sobre o patrimônio do PMDB. Todas as seis pastas controladas pela legenda são desejadas por outros aliados. Os destaques são Integração Nacional, Saúde e Agricultura.
Das áreas sob o comando do PT (17), só o Turismo mereceu interesse do PSC e do PTB. O PDT também estaria na disputa, mas dificilmente terá outra pasta além de Trabalho, que ocupa hoje, pois diminuiu no Senado e não elegeu governador.

Painel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails