quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Briga de cachorro grande !

Dilma hesita em atender a convite de Barack Obama

Barack Obama convidou Dilma Rousseff para visitar Washington. Deseja recepcionar a sucessora de Lula na Casa Branca antes da posse.

Dilma hesita em atender ao chamado. Nota veiculada pela Folha informa que a assessoria da presidente eleita organiza um giro dela pela América Latina.

Entre os destinos prováveis, estão Argentina e Uruguai. Há no governo quem desaconselhe que Dilma conceda a Obama a primazia de um encontro formal. Entre os que resistem à ideia, estaria o próprio Lula. Curioso, muito curioso, curiosíssimo.

Pior do que o americanismo cego, só o antiamericanismo obtuso.

Lula defende reforma do Conselho de Segurança da ONU

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender, no início da tarde desta quarta-feira, uma reforma do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). A diplomacia brasileira tenta um assento no conselho, considerado o órgão mais importante da organização.
Durante visita do presidente da Zâmbia, Rupiah Banda, Lula afirmou que a reforma do conselho é "urgente".
"Urge atualizar a composição do Conselho de Segurança das Nações Unidas com vistas a refletir a realidade do nosso século", afirmou o presidente, em discurso preparado previamente.
A visita do presidente da Zâmbia ocorre uma semana após Lula visitar outro país africano, Moçambique.
No almoço oferecido a Banda no Itamaraty, também esteve presente o presidente do Senado, José Sarney (PMDB).
Lula e Rupiah Banda já haviam se reunido em julho deste ano, na Zâmbia, quando foram firmados uma série de acordos de cooperação. Ontem, foi assinado apenas um memorando de entendimento para que a chancelaria dos dois países troquem "consultas políticas" sobre as grandes questões mundiais.
Em seu discurso, Lula disse que a Zâmbia é um dos países mais promissores do continente africano e citou como exemplo investimentos da Vale no país. 

Folha

Domingos Filho participa de encontro sobre dengue com ministro da Saúde

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Domingos Filho (PMDB), participou na noite desta quarta-feira (17/11), do encontro que reuniu o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, o governador Cid Gomes e prefeitos de vários municípios cearenses. Na ocasião, o ministro apresentou o quadro da dengue no País e no Ceará.

De acordo com Domingos Filho, o objetivo é mobilizar os gestores públicos para a intensificação das ações de controle da doença antes do início das chuvas, que no Ceará ocorre normalmente de fevereiro a maio. Ele também defendeu a mobilização da população.

A Caravana da Dengue do Ministério da Saúde chama a atenção dos 10 estados (Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro e Sergipe) com os maiores riscos de enfrentar epidemia da doença, no primeiro semestre de 2011. Conforme o ministro, a dengue é um problema que atinge muitos paises, e enquanto não surge uma vacina, o que pode ser feito é um trabalho de prevenção.

O governador Cid Gomes também defendeu o trabalho de prevenção da doença, frisando que se não houver o engajamento efetivo da população nenhum poder público conseguirá evitar ou controlar a proliferação da dengue. Já o secretário da Saúde do Estado, Arruda Bastos, disse que a participação da sociedade é fundamental para que não sejamos vítimas de mais uma epidemia.

No Ceará, em 2009, a incidência de dengue foi de 56,23/100.000 habitantes, sendo que desse total, dois municípios apresentaram 300/100.000 habitantes. E em 2010, já foram notificados 17.592 casos. Destes, 10.774 casos foram confirmados em 117 cidades.

O encontro contou com a participação da presidente da Associação dos Municípios e Prefeitos do Estado do Ceará (Aprece), Eliene Brasileiro; de 70 prefeitos cearenses e de vários representantes da área de saúde.
LF/CG

www.iguatu.net: apreensão de materiais na Cadeia Pública de Iguatu

UECE abre Vestibular de 2011 no dia 05 de dezembro


A Universidade Estadual do Ceará (UECE) realiza no próximo dia 05 de dezembro de 2010, (domingo), a primeira fase do Concurso Vestibular de 2011.1. A Prova de Conhecimentos Gerais de múltipla escolha consta de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, Geografia, História, Matemática, Física, Química e Biologia. A Comissão Executiva do Vestibular (CEV) informa que a prova tem duração de quatro horas, com inicio às 9 horas prosseguindo até às 13 horas. Neste Vestibular estão sendo oferecidas 2.225 vagas, sendo 1.390 para os cursos da Capital e 835 vagas para as seis unidades no Interior do Estado.
A segunda fase do vestibular acontecerá nos dias 19 e 20 de dezembro (domingo e segunda-feira), com a realização de quatro provas: uma de Redação e três Específicas.
Mais informações pelos telefones 85 3101.9710 / 3101.9711.

Assembléia Legislativa do Ceará faz sessão solene em comemoração dos 55 anos do Dieese no País

A Assembleia Legislativa realizou, na tarde desta quinta-feira (18/11), sessão solene em comemoração aos 55 anos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e aos 25 anos de sua atuação no Ceará. O evento atendeu a solicitação dos deputados Nelson Martins e Artur Bruno, ambos do PT. “É uma honra estarmos fazendo essa homenagem. É uma forma de reconhecer e agradecer a entidade pelo grande trabalho e sua contribuição para o crescimento do movimento sindical no Brasil”, declarou Nelson Martins.

Para o parlamentar, o trabalho do Dieese foi determinante na evolução das concepções sindicais no País. “Mesmo lutando por melhores condições de trabalho, os sindicatos atuam de acordo com as decisões nacionais, como na aplicação de políticas públicas”, destacou Nelson. O deputado ressaltou que, embora todo o apoio prestado aos sindicados, atualmente o departamento é mais reconhecido pelos trabalhos de pesquisa.

O Coordenador Nacional de Relações Sindicais do Dieese, José Silvestre do Prado, disse que é motivo de comemoração “o fato de termos uma instituição com esse tipo de caráter e de abrangência nacional, há mais de meio século”. “O Dieese não é uma ONG, nem uma empresa privada, nem uma fundação. Somos apenas um departamento, sustentado por uma equipe técnica e gerido pelo movimento sindical. A credibilidade que alcançamos hoje, em nível nacional, provém de nossos esforços na luta junto aos sindicatos”, completou.

Receberam placas comemorativas Carlos Eduardo Bezerra, José Weber Demétrio, Antônio Alberto Teixeira e Romildo Miranda Garcês, todos representantes de sindicatos filiados ao Dieese.

Também participaram do evento representantes do escritório do Dieese no Ceará, como os diretores Ricardo de Paula e Luiz Anísio de Lima, o Supervisor regional, Francisco de Assis Diniz, e o secretário Marcos Pereria da Silva.

PE/AM

TRE-SP indefere recursos e livra Tiririca de nova prova

O plenário do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) indeferiu hoje por unanimidade, em caráter liminar, os dois mandados de segurança impetrados pelo promotor eleitoral Mauricio Lopes no processo contra o deputado federal eleito Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR-SP). O mérito dos recursos ainda precisa ser julgado pela corte, mas não há indicação de que o resultado seja revertido.
O promotor pedia um novo teste para aferir o grau de alfabetização de Tiririca e alegava que teve o direito de acusação cerceado pelo juiz da 1.ª Zona Eleitoral, Aloísio Silveira. Os dois mandados de segurança, na prática, pediam a anulação da audiência.
Relator do processo, o juiz do TRE Flávio Yashell votou contra os mandados de segurança do promotor. Seu voto foi acompanhado pelos cinco juízes que acompanhavam o caso. A Corregedoria do Ministério Público de São Paulo abriu na semana passada processo para investigar se o promotor Mauricio Lopes teria cometido excessos na ação envolvendo Tiririca. O caso corre sob sigilo. 

Estado

Brasil tem 60 mil homicídios sem solução

Jailton de Carvalho

O retrato da impunidade ganhou contornos ainda mais dramáticos com levantamento do Conselho Nacional do Ministério Público divulgado ontem. Pelo estudo, as polícias civis acumulam pelo menos 60 mil inquéritos sobre homicídios abertos até dezembro de 2007 e, até o momento, não concluídos.
São casos de assassinatos, crime mais grave previsto no Código Penal, em que os autores não foram devidamente identificados e, por isso, permanecem sem qualquer punição.
As pilhas de inquéritos sem solução são maiores no Paraná, com 9.281 casos; no Espírito Santo, com 8.893; e no Rio de Janeiro, com 8.524. Entre os cinco primeiros da ineficiência estão ainda a Bahia, com 6.903 inquéritos em aberto, e Minas Gerais, com mais de 5.419 assassinatos não esclarecidos.
O quadro da violência e da impunidade pode ser ainda mais grave. Seis estados e o Distrito Federal não repassaram informações para o levantamento. Alguns estados encaminharam dados parciais.
Esta é a primeira vez em que uma instituição brasileira faz e divulga os resultados sobre assassinatos não esclarecidos. Os números, até então inéditos, deixaram impressionadas até autoridades acostumadas a lidar com a questão da violência e da impunidade no país.

PT faz contas e acredita que faria grupo maior

O PT adotou a estratégia de minar, na base, a tática do PMDB de formar um blocão com outros quatro partidos aliados, para exigir espaço no primeiro escalão do governo e isolar o partido na disputa pela presidência da Câmara. Após reuniões da cúpula petista que atravessaram a madrugada de ontem, o PT avaliou que o PMDB não sustentará a formalização do bloco com 202 deputados, como anunciou na terça-feira, com o PR, o PP, o PTB e o PSC.
Mesmo assim, setores do PT chegaram a fazer cálculos e concluíram que, se necessário, poderiam buscar outros partidos da base - PSB, PDT, PCdoB, PV, PMN e outras legendas menores -, e com elas formar outro bloco com um número maior de deputados. A reação mostra a guerra fria existente entre PT e PMDB pela hegemonia de poder na Casa e no governo da futura presidente Dilma Rousseff.
A certeza do PT de que conseguiria desativar a arma peemedebista veio com as manifestações de dirigentes como o ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento (PR), e o ex-presidente do partido, deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP), além de integrantes da cúpula das outras legendas, contrárias ao blocão.
O líder do PP, João Pizzolatti (SC), concordou em integrar o bloco com o PMDB, com a condição de que o discurso antigoverno fosse amenizado, já que, na bancada, nem todos se dispõem a afrontá-lo. "Não há nada contra o governo, nada contra o PT nem o compromisso para eleição da presidência da Câmara. O bloco é para garantir espaço no Legislativo", declarou Pizzolatti. O PMDB, com a instituição do blocão, ameaçava deixar o PT fora do comando da Casa.
‘Faca no pescoço.’ "Quiseram (o PMDB) colocar a faca no nosso pescoço, mas eles não têm força para isso. Nós concluímos que o melhor era trabalhar dentro dos partidos e deixar o PMDB com a brocha na mão. O bloco durou apenas algumas horas. Agora, o PMDB terá de vir conversar conosco em outros termos", disse um dirigente petista, que participou de diversas reuniões do governo.
Na avaliação feita da cúpula petista, o PMDB não teria como concretizar o bloco com tantos interesses diferentes de cada partido. Além disso, ela considera que o PMDB ficou com o ônus político de tentar encurralar a presidente que acabou de ser eleita, agravando sua imagem pública de partido fisiologista.
Pela manhã, em resposta às cobranças do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do PT, o vice-presidente eleito, Michel Temer (PMDB), convocou os líderes do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), e do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), para propor trégua. "A questão do bloco tem pouca relevância, o importante é a afirmação que não há divergência e que estão todos trabalhando juntos", disse Temer, após o encontro.
Ele foi um dos principais alvos das críticas petistas. O PT não engoliu o fato de Temer estar reunido com o presidente do PT no momento em que seu partido fechava o blocão na Câmara, sem informá-lo disso. Dutra só soube pela imprensa.
Em meio a frases de apoio irrestrito ao governo, Henrique Alves reafirmou, após a reunião com Temer, que o blocão foi organizado para garantir espaço no governo e na Câmara para os que ajudaram a eleger Dilma. "Haverá respeito absoluto e harmonia com os espaços", garantiu.

Estadão

Conheçam a nova fábrica da empresa Flora Pura em Iguatu

Conheçam um pouco a empresa Flora Pura que está instalada em Iguatu, nesta reportagem , apresentamos as instalações da fábrica que estará em funcionamento nos próximos meses e que nos surpreedeu quando produziamos a reportagem. Confiram:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails