segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Movimento na internet motiva a criação do Estado do Cariri

Na Assembleia Nacional Constituinte de 1987, o Deputado Federal cearense Furtado Leite apresentou emenda à Comissão de Organização do Estado propondo a criação do Estado do Cariri, “com desmembramento da área do Estado do Ceará abrangida pelos Municípios de Iguatu, Solonópole, Carius, Jucás, Saboeiro, Aiuaba, Antonina do Norte, Campos Sales, Assaré, Altaneira, Potengi, Araripe, Nova Olinda, Farias Brito, Crato, Juazeiro do Norte, Caririaçu, Grangeiro, Várzea Alegre, Lavras da Mangabeira, Cedro, Icó, Umari, Baixio, Ipaumirim, Aurora, Barro, Missão Velha, Milagres, Abaiara, Mauriti, Brejo Santo, Jati, Porteiras, Penaforte, Jardim, Barbalha, Santana do Cariri, Parambu, Catarina, Acopiara, Orós e Tauá (…)”¹.
Em verdade, podemos afirmar que tal propositura tem sólido amparo no potencial histórico, cultural e econômico da região. “Já em 16 de agosto de 1839 o Senador José Martiniano de Alencar entrou com pedido de criação do Estado do Cariri, no Senado do Império (…). Depois, o Deputado Estadual Wilson Roriz, em 1957, entrou na Assembléia Legislativa do Estado do Ceará com um projeto pedindo a autorização de um plebiscito sobre a criação do Estado do Cariri, tendo sido rejeitado.”²
O Ceará é um estado que, na prática do poder central, caracteriza-se pela apartação que vitima o Cariri na desatenção a suas crescentes demandas culturais, econômicas e sociais, além de vergonhoso desprestígio e ou cooptação política de suas lideranças.
Começamos, então, ou melhor dizendo, recomeçamos a gloriosa luta em defesa da cirçao do Estado do Cariri. Pretendemos congregar o povo, seus historiadores, estudiosos da geopolítca e antropologia, sociólogos, artistas de todas as linguagens, intelectuais, mestres da tradição popular, repórteres, radialistas, jornalistas, religiosos de todas as crenças, políticos das diversas correntes ideológicas. Necessitamos conquistar a independência, no sentido de libertar o Sul do Estado “da escravidão tributária”³ e promover o bem-estar da população e o desenvolvimento socioeconômico.
Para divulgar a luta foi criado o blogue ESTADO DO CARIRI (http://estadodocariricearense.blogspot.com/) que terá a missão de articular e documentar opiniões e ações que convirjam e contribuam com o glorioso ideal separatista. Não se trata de uma luta do sertão contra o mar, mas do desejo de ver distribuídas e respeitadas as condições de existência digna, liberdade e justiça social. A separação é a única alternativa restante à salvação do Cariri! Por isso, desde agora alertamos a população caririesne para priorizar a eleição de representantes comunitários e sindicais, líderes de clubes de serviço, vereadores, prefeitos, deputados, senadores… que tenham compromisso em atuar nas fileiras que defendem a urgente criação do ESTADO DO CARIRI.
Estamos articulando o ATO EM DEFESA DO ESTADO DO CARIRI, a ser realizado no dia 3 de maio, aniversário da Proclamação da República no Cariri (ocorrida no Crato em 1817), que terá a participação de todas as cidades envolvidas na luta dos dias de hoje. O local, horário e modo de operação serão previamente divulgados. Os interessados em contribuir positivamente na discussão podem inicialmente enviar mensagem para o endereço eletrônico do professor e dramaturgo cratense Cacá Araújo (cacaraujo66@yahoo.com.br), e, posteriormente, integrar grupo de discussão virtual e de autores do nosso “blog”.

Por: Wilson Rodrigues/JOTALOPES

Leia mais:

Juazeiro do Norte – O sonho do ex-senador cearense Martiniano de Alencar de transformar a região do Cariri em um novo estado brasileiro volta a ser debatido, agora com mais justificativas econômicas e sociais. Após 170 anos, da apresentação do projeto no Senado do Império, o escritor e jornalista Jota Alcides, iniciou um movimento para viabilizar a ideia cuja referência política seria o município do Juazeiro do Norte, a Terra do Padre Cícero. “O estado do Cariri é a solução política inadiável para salvar o belo e naturalmente rico Vale do Cariri, sempre desconsiderado ou maltratado pelos governos do Ceará, sobretudo o atual (Cid Gomes). Não há o que temer. É melhor ser um estado pequeno e pobre mas, livre e independente, verdadeiro dono do seu destino”, afirma Alcides.

O autor da proposta lembra que nos últimos dez meses, “cresce a insatisfação e a revolta da população de Juazeiro do Norte, contra a indiferença, a negligência, a omissão, a discriminação e até conspiração por sucessos governos cearenses, pormais de um século, até os dias atuais”. A proposta irá contribuir para evitar o aumento da concentração de riquezas na capital Fortaleza, que tem Produto Interno Bruto (PIB) R$ 22,5 bilhões, quase 50% do PIB estadual de R$ 46 bilhões.

“É visível a grande concentração de riqueza na capital. Fora da Região Metropolitana de Fortaleza, as duas maiores economias cearenses estão nos municípios de Sobral, com PIB de R$ 1,5 bilhão, e Juazeiro do Norte, com PIB de 1,1 bilhão. São dados que revelam, claramente, o tratamento diferenciado do governo do Ceará favorável ao norte do estado. Maior cidade do interior, com aproximando-se dos 300 mil habitantes, Juazeiro do Norte não tem sido privilegiado com investimentos do estado. Pelo contrário, tem sido discriminado e esquecido. E quando o governo prejudica Juazeiro, acaba prejudicando o Cariri”, ressalta.

Ao justificar sua iniciativa, Alcides lembra que o desenvolvimento de Juazeiro, hoje – maior centro comercial e industrial do interior do Ceará-, deve-se à sua grande força de atração de investimentos privados nacionais e estrangeiros. “Como Metrópole do Cariri, a cidade exerce influência sobre 2,5 milhões de habitantes da região e de municípios vizinhos da Paraíba, Pernambuco e Piauí. É um importante centro de atração turística do Nordeste recebendo milhares de visitantes todos os anos e hoje o maior centro urbano, demográfico, social, político, econômico, cultural, universitário, artístico e desportivo do Nordeste central do Brasil”, completa.

Juazeiro do Norte é hoje o terceiro maior polo da indústria calçadista do Brasil e o principal do Norte e Nordeste. É ainda o terceiro maior polo de produtos folheados em ouro do país. Para Alcides, a economia do Juazeiro poderia ser mais desenvolvido hoje “se não sofresse o desprezo dos governos do Ceará, sobretudo o atual, que faz altos investimentos no Norte do estado (cerca de R$ 300 milhões) sem dar a devida e merecida atenção ao Sul, ao Cariri, cujos investimentos não chegam aos R$ 100 milhões”.

Ele sustenta que Juazeiro tem “crescido por suas próprias forças, pelo empreendedorismo do seu povo, e convoca seus conterrâneos a defenderem a proposta que terá que ser apresentada no Congresso Nacional. “Só resta aos caririenses assumirem com ousadia e determinação o seu próprio destino lutando pela criação do estado do Cariri”, conclui.

Pernambuco.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails