sábado, 18 de dezembro de 2010

Fundador do WikiLeaks vira herói e vilão da era cibernética

Há poucas semanas, pouca gente havia ouvido o nome de Julian Assange. Mas o vazamento de 250 mil documentos diplomáticos dos Estados Unidos pelo site WikiLeaks, e a prisão logo em seguida do seu criador, sob acusação de estupro, fez o ativista australiano virar celebridade. Há quem o busque como terrorista, e há quem faça terrorismo cibernético para defendê-lo. Mesmo sem fazer música, ele virou o roqueiro do ano da revista Rolling Stone.
Nesta quinta-feira (16), Assange saiu da prisão em Londres, por onde ficou por nove dias. Ele foi preso acusado de estupro por duas mulheres suecas – o ativista manteve relações sexuais sem camisinha. O processo oficialmente não tem nenhuma relação com as atividades do site WikiLeaks. Mas sua prisão logo após o vazamento de documentos constrangedores para os EUA fez muita gente falar em conspiração. Não demorou para uma legião de admiradores tratar Assange como mártir cibernético e entrar em ação.
Nos dias seguintes, um movimento internacional de hackers declarou a Operation Payback (Operação Revanche), para vingar o que consideram uma perseguição ao homem que está revelando os segredos de governos de todo o mundo. O grupo atacou sites e serviços dos cartões de crédito Visa e Mastercard, além de bancos e outros prestadores de serviço que romperam contratos com o WikiLeaks, após a repercussão de suas revelações.
Até o presidente Luiz Inácio Lula da Silva saiu em defesa do “rapaz” que “desnuda a diplomacia”. No mesmo dia, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, também defendeu Assange. No Twitter, o nome do ativista foi tão citado que ultrapassou até o astro teen Justin Bieber no dia em que foi preso – segundo a ferramenta Trendistic.
Assange é “roqueiro do ano”
Assim que entrou no meio do furacão midiático com as revelações do WikiLeaks, Assange foi parar na capa da imprensa de todo o mundo. Mesmo sem ter nenhum dote musical conhecido, virou a “estrela do Rock de 2010”, da edição italiana da revista Rolling Stone.
A revista disse que “o rock informático de Assange será o que levaremos com alegria durante 2011”. Disse também que “Assange é um ícone como Che Guevara nas camisetas, como Mao para Andy Warhol. É o líder pop do fim da diplomacia e da segurança imperial. Assange é a verdadeira estrela do rock & roll dos anos 3000".
Livre da prisão, mas sob risco de ser extraditado para a Suécia e até para os EUA, Assange espera o seu futuro numa mansão de dez quartos no interior do Reino Unido – oferecimento de um apoiador.
Foi também a legião de admiradores, como o cineasta americano Michael Moore, que pagou sua fiança equivalente a R$ 640 mil. Na Alemanha, uma ONG está vendendo camisetas retratando Assange como Che.
Já nos EUA, o líder da oposição republicana no Senado pediu a cabeça de Assange, dizendo que ele é um “terrorista de alta tecnologia”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails